[ Vox populi vox Dei ]

2014-12-13

« PORQUÊ... TANTA GENTE INFELIZ? »



Somos infelizes porque temos medo do futuro, medo do sofrimento e muitas vezes da morte... E sentimo-nos tantas vezes reféns do acaso! 

E depois, em vez de enfrentar a realidade, agarramo-nos a quimeras e não a sonhos realistas. Outras vezes alheamo-nos do mundo, ou agarramo-nos  desesperadamente ao "ter" como uma forma de segurança (fragilidade aproveitada por esta sociedade de consumo) e esquecemo-nos que a infelicidade de momento não torna a felicidade impossível, ou seja, estamos sempre a tempo de mudar e de recomeçar, de criar uma segunda natureza e construir um mundo novo.

Somos infelizes muitas vezes porque nos esquecemos que o mundo é o que é e não o que gostaríamos que fosse. Esse ideal, temos de ser nós a ajudar a construir sem pressas, e a melhor maneira de o fazer é sermos quem fomos chamados a ser.

Somos muitas vezes infelizes porque não conseguimos perceber o que podemos mudar e o que não podemos mudar...

Somos muitas vezes infelizes porque não assumimos que a vida é um risco, desde o nascimento até à morte, que nada está garantido e não percebemos que a forma mais adequada de diminuir o risco não é isolarmo-nos, fugindo da vida, mas antes vivê-la com responsabilidade, respeitando as regras e os valores que nos protegem, sendo prudentes como já nos ensinaram os antigos; pois a prudência é uma virtude que nos leva à sabedoria.

Somos muitas vezes infelizes porque nem sempre os nossos sonhos e a realidade andam de mãos dadas, e porque nem sempre o mundo é justo e é preciso saber lidar com isso, não desesperar...

As injustiças, as coisas menos bonitas ou mesmo muito feias que o mundo nos vai revelando, não nos podem tirar a capacidade de sorrir, a capacidade de trabalhar com amor ao nosso projecto pessoal. Devem antes motivar-nos a fazer o melhor para que possamos intervir individual e colectivamente para que o mundo se torne melhor; pois o futuro é aberto e permite-nos ter todas as esperanças; é essa esperança que nos deve mover...

E, se por um lado, somos quem fomos, seremos amanhã quem somos hoje e o mundo será o que todos nós juntos fizermos por ele.

Quando a realidade nos dificultar a realização dos nossos sonhos, é tempo de os avaliar e perceber se é preciso mudar de sonhos ou mudar de estratégias para os conseguir...

Quanto ao passado e ao presente, aquilo que não nos foi possível mudar, teremos de aceitar, mas nunca desistir de construir um futuro onde possamos sorrir com sabedoria, para aceitarmos o que não pudemos mudar e a força e a inteligência para mudar o que pode ser mudado.

3 comentários:

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Não é facil entender estes conceitos de felicidade ou de infelicidade.
Por vezes basta querermos ir mais alem,tentando perceber as nossas limitações e entramos nesse mar de infelicidade.
Parece que ficamos reduzidos a um ponto. Dali não saímos e caminhamos em círculos contínuos.

Por outro lado a felicidade aceita a nossa limitação e transforma-a em esperança que alimenta o sonho de dias bons. (pensamentos meus)

FRIDA RYVERA disse...

Parabéns pelo blog. Falar sobre felicidade já dificil,imagine vivê-la.Nós não viemos nesse plano para sermos totalmente felizes, apenas para viver alguns momentos felizes. Felicidade é algo abstrato, o que é ser feliz para um, não representa felicidade para outro,exemplo para muitas pessoas ir ao estádio de futebol ver seu time jogar é um felicidade total,já para mim seria torturante, me sentiria infeliz, pois não gosto de tumulto, gritaria.A felicidade pode estar dentro de cada um, basta olhar para dentro de si mesmo. Abraços do outro lado do oceano..Brasil

FRIDA RYVERA disse...

Parabéns pelo blog. Falar sobre felicidade já dificil,imagine vivê-la.Nós não viemos nesse plano para sermos totalmente felizes, apenas para viver alguns momentos felizes. Felicidade é algo abstrato, o que é ser feliz para um, não representa felicidade para outro,exemplo para muitas pessoas ir ao estádio de futebol ver seu time jogar é um felicidade total,já para mim seria torturante, me sentiria infeliz, pois não gosto de tumulto, gritaria.A felicidade pode estar dentro de cada um, basta olhar para dentro de si mesmo. Abraços do outro lado do oceano..Brasil