[ Vox populi vox Dei ]

2011-07-21

« MOODY'S! - LIXO... É A TUA TIA ! »




 Agências de notação: há mais mundo... além desta gente!


Há tiros que saem pela culatra e assim aconteceu com a recente e desastrosa notação que a Moody´s atribuiu à nossa dívida soberana e a uma série de outras entidades, desde bancos a câmaras municipais. 

Aquilo que pretendeu ser uma forte reprimenda a Portugal, com intenções mais do que duvidosas, redundou, afinal, num coro de protestos e de rejeição dessa classificação, que fez unir a Europa a gritar contra tão descabidas posições, para além de, por aqui, nos pôr a todos a olhar de lado para essa gente que, na sua terra, os EUA, deixou grassar a epidemia do colapso das suas próprias finanças e do mundo, em geral.

Cabe-nos dizer que isto de nos tratar como "lixo", é bofetada que nunca mais vai deixar de doer. É uma ofensa grave, até porque se sabe que o papel destas agências não é ingénuo, nem isento: quem assim fala dos outros tem interesses no jogo, uma vez que se confundem os campos de atuação - dá-se uma nota, por um lado, espera-se que ela destrua a economia dos visados e, depois, vai-se ao mercado, o que é uma manifesta traição à ética e ao bom senso.



A prestigiada empresa portuguesa  LANIDOR lançou 10.000 exemplares de T-shirts - como a imagem em cima ilustra -, para serem distribuídas gratuitamente em todas as Lojas da Marca aos clientes que possuam o LA Card.  João Pedro Xavier, um administrador da Lanidor, explicou que foi utilizado o inglês, para que a Moody's  possa perceber a mensagem de repúdio, sublinhando que, «Quem não se sente, não é filho de boa gente. Não somos
lixo e não nos sentimos lixo»



Mas esta é uma história perversa, porque assenta num triângulo, umas vezes pretensamente virtuoso, outras a descambar para o pântano e para o perigo e que é este: o sustentáculo dessas entidades passa pelos clientes, estes sujeitam-se ao seu veredicto (que não pode ser tornado público) e os notadores também não se afastam da ideia de que o resultado das suas decisões tem influência direta nos seus próprios financiadores, o que é, no mínimo, perfeitamente estranho.

Durante cerca de cem anos, todo este esquema funcionou um pouco na "perfeição". O pior é quando outros discos têm de ser tocados, talvez numa surda guerra de moedas, o dólar e o euro. Pelo meio, ficam a apanhar tareia aqueles que, devido as suas debilidades intrínsecas, são os mais fracos em toda esta teia de confusões e Portugal está, para nosso mal, no fim desta picada. Entretanto, e como que a mostrar que, um dia, muitos mais desastres haverá, eis que a EU debate o problema da Itália, um colosso também na corda bamba.

Agora, soou a trombeta do descontentamento e, com ela, a necessidade de se encontrarem outros protagonistas de matriz mais europeia e, sobretudo, mais independentes, como já fizeram saber a UE, o BCE e muitas outras instâncias por esse mundo fora. Pela voz da Comissária Europeia, Viviane Reding, pede-se, inclusivamente, o desmantelamento dessas agências, sendo, pela análise presente, muito mais papistas que o papa. Com tal trunfo de unidade em mãos, saiu-nos, a esse propósito, a sorte grande!

Mas o certo é que a bolsa caiu, os investidores fugiram ainda mais, o mercado - que, curiosamente, Portugal bem pode dispensar em função dos fundos pedidos à Troika - fez disparar os juros e, por isso, a banca e as empresas têm acrescidas dificuldades em financiar-se. Aqui é que está, para já, o cerne da questão, a ponto de a Brisa, o BES, a ANA e as Câmaras de Lisboa, Porto, Cascais e Sintra terem abandonado esse mesmo barco, descontentes com quem eles apoiaram durante tempo demais.

Está feito o mal. Importa é, neste momento de reflexão, olhar noutras direções e escolher as melhores vias, que este foi chão que deu uvas, algumas bem podres, como se está a ver.

Por assim ser, mais do que rejeitarmos estas ditas Agências de Notação, queremos ver o nosso país mais equilibrado, sereno e capaz de se atirar pelos milénios além.

E isso só se constrói, com novos paradigmas de desenvolvimento e ordenamento do território e muito menos com balelas de adormecer os detentores de crónicas insónias,  por mais aborrecidas que sejam.







- Legenda: da T-Shirt da Lanidor
adaptada da Revista VISÃO
 nº 958.
- Imagens: do Google

8 comentários:

Luís Coelho disse...

Fiquei abismado com a tentativa de arrasar parte da Europa e depois com a reacção desta mesma Europa que vejo muitas vezes instalada no interesse de meia dúzia de altas individualidades.

Aquilo da reforma de 9000 euros, aos cinquenta de idade, é um atentado a todos nós.

Os governos, sejam os de Kadafi ou outros, estão eivados de interesses próprios e apenas se alimentam a eles

trepadeira disse...

Meu caro César

Isto só se resolverá com a mudança do sistema.
Remendos andam eles a coser há muitos séculos.

Pelos milénios fora quando o povo perder o medo.

Um abraço,
mário

César Ramos disse...

Cristina Valente Mouta
escreveu [o que muito agradeço] na m/pág.
do Facebook:
.............

César,

Acabei de ler no seu blog o texto. PERFEITO !
Quando vi essa notícia, aqui no Brasil, fiquei chocada, revoltada, indignada , triste...todos os sentimentos de uma ativista em fúria....rs Jamais a pátria do meu pai e de meus avós, minh...a por coração e escolha, será lixo.
País maravilhoso, de gente maravilhosa com uma história linda e corajosa. Povo trabalhador e repleto de tradições ainda cultivadas que os fazem pitorescos e singulares.
LIXO é o que a nossa raça está se transformando a cada dia mais por arrogância, prepotência, disputa desenfreada do poder e do dinheiro onde tudo vale, onde valores foram postos de lado e chegaram ao ponto de "classificar" MEU PORTUGAL de lixo.

Anónimo disse...

"Importa é, neste momento de reflexão, olhar noutras direções".
Estou de acordo.
Eu gosto de olhar para cima...,
ou para o outro lado do mar.
A Cristina é mesmo Valente.
Obrigado por todo o tempo e dedicação.
Chico

svasconcelos disse...

Esta calssificação , como bem vincaste, não foi isenta de interesses, má fé e papismo.
E remataste bem: "lixo é a tia deles, pá "
bjs,

O Puma disse...

... entretanto pagamos ao sistema

para sermos desqualificados
nesta europa não solidária

Abraço

Silenciosamente ouvindo... disse...

Subscrevo totalmente o comentario
do meu amigo Luis Coelho.
Havia de haver uma mobilização de
todos os trabalhadores a nível
da Europa,mas isso as centrais
sindicais não querem ou não podem.
País a país, não vai dar em nada.
Um abraço

Anónimo disse...

Não era o Professor Cavaco que há uns meses atrás dizia que se deveriam tratar estas « puras» Agências com desvelo e simpatia ? Vá lá que felizmente chegou à conclusão oposta graças à chegada ao poder de um dos seus amigalhaços. Mais vale tarde do que nunca. Palma