[ Vox populi vox Dei ]

2011-07-01

« APÓS PARTIDA... FAZ HOJE UM ANO... DE VIAGEM »



As flores de hoje...  predilectas de sempre



Quando Eu For Pequeno


«Quando eu for pequeno, mãe,
quero ouvir de novo a tua voz
na campânula de som dos meus dias
inquietos, apressados, fustigados pelo medo.
Subirás comigo as ruas íngremes
com a certeza dócil de que só o empedrado
e o cansaço da subida
me entregarão ao sossego do sono. 


Quando eu for pequeno, mãe,
os teus olhos voltarão a ver
nem que seja o fio do destino
desenhado por uma estrela cadente
no cetim azul das tardes
sobre a baía dos veleiros imaginados. 


Quando eu for pequeno, mãe,
nenhum de nós falará da morte,
a não ser para confirmarmos
que ela só vem quando a chamamos
e que os animais fazem um círculo
para sabermos de antemão que vai chegar. 

 

Quando eu for pequeno, mãe,
trarei as papoilas e os búzios
para a tua mesa de tricotar encontros,
e então ficaremos debaixo de um alpendre
a ouvir uma banda a tocar
enquanto o pai ao longe nos acena,
lenço branco na mão com as iniciais bordadas,
anunciando que vai voltar porque eu sou
                                                       [pequeno
e a orfandade até nos olhos deixa marcas.»

 


José Jorge Letria, in "O Livro Branco da Melancolia"









 A casa rosa, o sítio onde fui pequeno pela primeira vez







NOTA: 
Obrigado à pessoa querida que me enviou este Poema. 

7 comentários:

Luisa disse...

A Saudade fica, porque a vida continua...

Bela e singela homenagem, as flores são lindas!

Beijo

Luísa

Anónimo disse...

http://youtu.be/XmcWc19kKes
um beijinho

trepadeira disse...

Caro César

Um abraço solidário,

mário

Maga disse...

Há aniversários alegres, bem dispostos... Há aniversários tristes, em que a saudade impera, mas em que o Amor permanece forte e o esquecimento é sentimento desconhecido...
Neste dia, Amigo, estou junto a si e rezo consigo. Um beijo cheio de Amizade da
Maga

momo disse...

un abrazo muy forte...y un recuerdo para tu madre..con cariño muito cariño.

César Ramos disse...

BEM-HAJAM,

Aos que ainda não chegaram mas sei que estão por aí..., à querida Luísa, à 'Anónimo' - da "Avé Maria" bem sentida, Trepadeira - na pessoa do grande amigo Mário, à Maga mui especial amiga, e à Momo - nuestra querida hermana:

- A todos... agradeço com muita emoção a v/ presença e as palavras dedicadas nesta simples homenagem, que se tornou enorme graças ao v/sentir, tão Amigo e Solidário.

Abraço muito grande
para todos

César

dRAMOs disse...

1 ano de orgulho em como soubeste lidar e demonstrando-me, como tantas outras vezes, quem devo ter sempre como exemplo até chegar a minha vez...