[ Vox populi vox Dei ]

2011-01-09

« OS GOLFINHOS... OU DELFINS... Família dos DELPHINIDAE »

     Foto de um golfinho saltando fora das águas do rio Sado em Portugal
                                                                                                                                                      


                                                            

ESPECTACULAR REPORTAGEM na ILHA dos GOLFINHOS


.



O GOLFINHO é...  um mamífero aquático altamente inteligente, a quem foi atribuído o salvamento de muitos náufragos no meio de destroços, e sempre foi tido como um dos melhores amigos do homem no oceano. 

O maior dos golfinhos de focinho deve o seu nome ao seu bico comprido, a fazer lembrar o gargalo de uma garrafa.

 Pensa-se que os golfinhos de nariz de garrafa são muito inteligentes e vivem em grupos sociais. Comunicam uns com os outros utilizando silvos distintos, e linguagem corporal.
         
Bilhete de Identidade

Ordem: Cetacea
Família
: Delfins
Género
: Tursiops
Espécie
: Tursiops Trucatus

Estado
: Comum
Unidade social:
Variável
Comprimento
: 1,9m-4m
Peso
: 500 kg
Maturidade Sexual
: Fêmea: 5-12 anos; Macho: 9-13 anos
Época de acasalamento: Março e Abril
Período de Gestação: 12 meses
Número de crias: 1
Intervalo de procriação: 2-3 anos
Dieta: Variada gama de peixes e mariscos
Longevidade: 12-40 anos, podendo atingir os 50 anos

Esta espécie pode ser especialmente encontrada nas águas temperadas e tropicais do Atlântico e nos mares adjacentes, preferindo as zonas costeiras rasas e quentes.
Também é possível encontrá-los perto do Havaí e da Florida.

O acasalamento

A principal época de acasalamento é entre Março e Abril. Os golfinhos juntam-se nesta altura, por um breve espaço de tempo, em que o macho demonstra preferência pela companhia de um determinada fêmea. A corte pode ser feita de forma violenta, com muitas cabeçadas pelo meio.

As crias nascem no pico do Verão em águas europeias e entre Fevereiro e Maio na Flórida. A ligação entre a mãe e a cria é tão forte que já se testemunhou mães a trazerem crias mortas á superfície, como que a querer ajudá-las a respirar. A mãe  e a cria permanecem juntas até esta ter quatro ou cinco anos de idade. 

Excelente pescador

Quando estão em liberdade os golfinhos alimentam-se de 8 a 10 kg de lulas, camarão, enguias e outros peixes, por dia. Caçam frequentemente em grupo, encurralando pequenos peixes e capturando os que saem do cardume; em algumas águas, seguem os barcos de pesca para se banquetearem com as sobras. 

As técnicas de caça dependem muito da localização. Na Carolina do Sul, EUA, por exemplo, os golfinhos seguem o peixe até à costa e empurram-no até à praia, capturando-o. No entanto, no Golfo do México, já foram avistados golfinhos que jogam as suas presas ao ar com os lobos das caudas, para as atordoarem, e depois capturam-nas à superfície. 

Alguns pesquisadores acreditam que estes conseguem atordoar as suas presas emitindo altos ruídos. 

Acrobata dos mares

Os golfinhos nariz de garrafa viajam em grupos familiares de um a dez indivíduos, em regiões costeiras, e por vezes até 25 em mar alto, apesar de já se terem registado grupos de 500 elementos. Dentro destes grupos, é vulgar passarem o tempo com os seus companheiros favoritos. As fêmeas e as crias pequenas andam normalmente juntas, tal como os machos. 

É possível avistar o golfinho nariz de garrafa a acompanhar a onda de proa dos navios e fazer piruetas, podendo sair vários metros para fora de água. Dormem cerca de oito horas por dia e nadam a uma velocidade de cerca de 20 km por hora, podendo mergulhar até 20 minutos e a uma profundidade de 300 m. 

Os machos lutam ferozmente pelas fêmeas durante a época da reprodução. Um golfinho nariz de garrafa faz uma pirueta para respirar e também, para comunicar com os seus parceiros. 

Em vias de extinção

Apesar de ainda existirem num número alargado, os golfinhos nariz de garrafa têm sido virtualmente erradicados de alguns lugares. São caçados pela sua carne ou outros produtos em todo o Mundo. No Pacífico, é vulgar afogarem-se em redes de pesca ao atum, apesar de já serem utilizadas redes “amigas” dos golfinhos.

Recentemente, tem havido preocupação sobre o ruído marinho provocado pelo Homem, tal como o sonar dos navios, que interfere com a capacidade de baleias e golfinhos em alimentarem-se, orientarem-se e comunicarem. 

As provas mostram que o sistema de detecção de submarinos militares, em que é utilizado um sonar activo de baixa frequência, enche os mares de ruído que ameaça a sobrevivência dos golfinhos e baleias, destruindo-lhes a audição ou causando-lhes hemorragias nos pulmões e ouvidos.



                                                 
                                      Os cetáceos

[Sugerimos a leitura - é só clicar no link - do 'post' do nosso blog gémeo «MUNHO» http://munho.blogspot.com - que denuncia no texto e nos comentários, as atrocidades (des)humanas cometidas contra todos estes animais]

Esta espécie não pode sobreviver fora de água. Semelhantes aos peixes pela morfologia e perfeita adaptação ao meio aquático, os cetáceos são no entanto mamíferos, com pulmões e temperatura constante, que dão origem a indivíduos desenvolvidos, os quais amamentam. 
Os cetáceos formam uma ordem dividida em duas subordens: de um lado cetáceos com dentes (odontocetos) e de outro lado as dez espécies de baleias sem dentes (misticetos). Todos têm a particularidade de não possuírem membros superiores visíveis, enquanto os membros anteriores estão transformados em barbatanas. A cauda é possante e constitui o principal órgão de locomoção. As vias digestivas e respiratórias estão isoladas umas das outras, o que lhe permite engolir as presas debaixo de água. Os cetáceos respiram por pulmões, o que não os impede de permanecer submersos longo tempo, mesmo a grande profundidade (mais de uma hora e até três mil metros no caso do cachalote!). Ao voltar à superfície, expelem o ar pelo espiráculo, num jacto visível à distância. 
O sentido do olfacto encontra-se atrofiado nas baleias e ausente nos golfinhos. Se a visão é fraca, a audição é muito apurada nestes animais, que utilizam  a ecolocalização (emissão de ultra-sons e recolha do eco) para se deslocarem e caçarem . Os cetáceos sem dentes agrupam um grande número de baleias, entre as quais a baleia-azul, o maior dos cetáceos.
                                           
Esta baleias primitivas possuem um sonar rudimentar e um sistema nervoso central pouco desenvolvido. Em vez de dentes possuem barbas, centenas de lâminas córneas fixas ao maxilar superior, que filtram o alimento da água. 

Estes gigantes do mar conseguem nadar porque a sua densidade é similar à da água, ligeireza que se deve à estrutura esponjosa do esqueleto e da gordura. 


AJUDEM... POR TODOS OS MEIOS POSSÍVEIS, NA LUTA CONTRA A MATANÇA DOS GOLFINHOS E DAS BALEIAS

12 comentários:

nacasadorau disse...

Amigo César!

Por ser muito tarde mesmo, voltarei amanhã para ler com a atenção que me merece o seu post.
Tenho enormes preocupações ambientais e este tema tem muita relevância.

A amiga de que fala é a minha amiga Irene Alves.
Dei-lhe uma pequenina ajuda para que ela se instalasse mais rapidamente no WordPress.

Até amanhã
Boa noite e obrigada pela sua visita e generosas palavras.

Beijinhos

Luís Coelho disse...

Uma lição sobre golfinhos.
Parecem-me ser criaturas inofensivas e continuo sem entender porque são perseguidos e mortos.

Um dia irei vê-los no estuário do rio Sado e maravilhar-me com a sua beleza e agilidade.

José María Souza Costa disse...

Belissimo. Avassalador. Fiquei encantado
Passei aqui lendo. Vim lhe desejar um Tempo Agradável, Harmonioso e com Sabedoria. Nenhuma pessoa indicou-me ou chamou-me aqui. Gostei do que vi e li. Por isso, estou lhe convidando a visitar o meu blog. Muito Simplório por sinal. Mas, dinâmico e autêntico. E se possivel, seguirmos juntos por eles. Estarei lá, muito grato esperando por você. Se tiveres tuiter, e desejar, é só deixar que agente segue.
Um abraço e fique com DEUS.

http://josemariacostaescreveu.blogspot.com

Luisa disse...

Simpáticos e divertidos, mesmo assim há quem lhes queira mal, e os mate.
Somos os maiores predadores, e muito pouco, inteligentes.

Beijinho, César

trepadeira disse...

A melhor forma de proteger é dando a conhecer.Aqui não só ficamos encantados como instruidos.
Excelente mensagem.

Um abraço,
mário

polittikus disse...

É pena os golfinhos fugirem do rio Sado devido à poluição...

svasconcelos disse...

Como sempre, ourtro bom trabalho!:)
Obrigada pela partilha.
bjs,

Mel de Carvalho disse...

Sugiro conhecer, apoiar, divulgar o Projecto Delfim (estuário do sado)

http://www.projectodelfim.pt/

Tenho a honra de ter uma filha bióloga a trabalhar e a investigar pela causa...

Bem-haja pela cidadania manifesta.

Mar Arável disse...

Muito bem

com o acordo dos roazes

Abraço

Palma disse...

É verdade César. Como é que em pleno século das luzes e das descobertas que nos deixam boqueabertos, existam homens que tratam selvaticamente os animais, que tal como eles têm direito à vida e a viver em paz na Natureza !!!
Palma

momo disse...

golfinhos....que palabra mais linda.
Una bella entrada amigo.
feliz fin de semana

Fábio Paulos disse...

são lindos :)