[ Vox populi vox Dei ]

2010-11-24

« A UNIÃO FAZ A FORÇA: GREVE GERAL ! »



.


.


.

A CGTP e a UGT estiveram juntas [Greve Geral] no dia 28 de Março de 1988, em protesto contra o «Pacote Laboral», iniciativa do Governo então chefiado pelo Prof. Cavaco Silva. Dessa vez, os grevistas obtiveram uma vitória relativa. Apesar de aprovado pela maioria absoluta do PSD [Partido Social Democrata] que apoiava o Executivo, em função da Greve Geral, o Diploma foi enviado pelo então Presidente da República, Dr. Mário Soares, para o Tribunal Constitucional, que "chumbou" algumas medidas consideradas inconstitucionais.
.
Vinte e dois anos volvidos, nova Greve Geral junta as duas Centrais Sindicais, mobilizando os trabalhadores para uma acção eventualmente maior do que a que foi organizada em 1988, considerando os problemas de agora serem enormes, resultantes da má gestão que se tem vindo a arrastar ao longo de décadas.
.
Se nos interrogarmos se esta greve geral vai mudar alguma coisa, basta lembrar que a outra, que uniu as duas centrais sindicais em 88, suscitou dúvidas a Cavaco Silva quanto à sua dimensão e eficácia, mas, confessou, mais tarde, que tinha sido um erro desvalorizá-la! O Tribunal Constitucional dera razão ao povo!
.
As pessoas estão cansadas da impunidade política que tem feito regra no nosso país. Neste momento, pelos piores motivos, os olhos e os media de todo o mundo estão postos em nós, atentos a esta greve. Esta, é também uma maneira de os portugueses dizerem aos "mercados" que as medidas de contenção não podem ser aplicadas de forma desumana, sem atenção às situações de miséria que já se criaram e se podem criar ainda mais, em Portugal.
.
É grande o desafio das centrais sindicais para mobilizar os trabalhadores sem vínculo. É preciso que os trabalhadores percam o medo de serem sindicalizados, pese embora as novas gerações viverem uma precarização laboral sem precedentes! Será exigível que os sindicatos se tornem menos institucionais, resolvendo-se tudo mais fora dos gabinetes: o Sindicalismo perde a força se não for para a rua ouvir os trabalhadores e amplificar-lhes a voz!
.
É na rua que se demonstra o peso específico da angústia e da precaridade de vida do povo trabalhador. E quanto mais depressa se recuperar esta consciência, melhor será o clima reivindicativo, orientado e disciplinado pelos sindicatos, contornando aspectos previsíveis de grande agitação social.
.
É preocupante encontrar as forças policiais a reforçarem o seu equipamento bélico pessoal e motorizado, a pretexto deste, ou... daquele evento! (...)
.
Melhor seria que, a classe política decidisse dar a mão aos povos, em vez de se trancar em condomínios bunkers... e deslocar-se por todo o lado rodeada de "bodyguards" (...)
.
É visível que o sacrifício exigido não é feito por todos!... o que só amplia o sentimento de revolta das populações (...)

Alguém, um dia, disse: "Numa casa onde não há pão para todos... ninguém tem direito a sobremesa!" (...) e, ou, ainda:
.
« Ou há moralidade... ou comem todos!... »

7 comentários:

Luís Coelho disse...

As novas políticas, vindas do PS pecam por demagogia e obscurantismo.
Este foi um partido que se formou com base no ideal de uma sociedade mais justa e produtiva.
Hoje, no Governo, apenas promovem os seus boys e defendem os seus camaradas e amigos.
Para o povo sobram impostos e repressão.
Dentro do partido ALGUNS fazem a voz do povo, mas o governo continua cego e surdo...........

Wanderley Elian Lima disse...

Olá César
A greve é um instrumento legal que os trabalhadores têm para lutar por seus direitos. Qualquer governo democrático não pode impedi-la. Temos que lutar por melhores condições de vida.
Um abraço

Luisa disse...

César,

Concorda com a greve? Sim, penso que, todos os trabalhadores devem fazer greve, eu não faço por gostar muito dos meus patrões. Uma senhora dos seus cinquenta anos.
Temos que ser todos educados e ter consciência que vivemos em Democracia. As vozes que ouvi hoje assustam-me, há quem queira o regresso do fascismo.

Esta greve beneficia o governo. Era imperativo, que os sindicatos a marcassem, para libertar tensões acumuladas. Caso contrário, grupinhos de pessoas a conspirar ocasionavam cenas como as que se deram na Grécia.

Os números dizem, ter sido um êxito!

Bjs

Luísa

César Ramos disse...

Luís Coelho,

Na verdade, a cadeira do Poder altera a noção dos valores a quem antes lá não punha o rabo.

Assim... lembro um dito popular: "Se queres ver o vilão, mete-lhe o pau na mão..!"

Por vezes, dá mesmo vontade de 'electrificar' aquela 'cadeira', muito embora eu seja visceralmente contra a pena de morte!

Um abraço

César Ramos disse...

Wanderley,

Exactamente! E, de facto, não podem impedi-la.

No entanto, a posteriori, esfolam-se por desvirtuar os verdadeiros efeitos das greves.

Nunca as contagens batem certo! Só eles, são os donos da verdade dos números!

Para quê, exporem-se ao ridículo da aritmética do Poder?!

Um abraço

César Ramos disse...

Luísa,

És uma pessoa muito esclarecida. De facto, por vezes, o que não parece, é!

Neste caso da Greve Geral, enquanto que aparenta uma 'afronta' ao 1º Ministro, tal, no fundo, descomprimiu as tensões acumuladas nas massas populares, o que permite algum equilíbrio social em termos de abrandamento da hipótese de agitação pública violenta.

Digamos que, foi um "mal", que veio por "bem"!...

As vozes de que antigamente é que era bom, não passam de vozes de burro, que não vão a lado nenhum!

É gente oportunista que já votou nos Partidos todos, e dariam vivas ao primeiro ditador que por aí aparecesse!

Não metem medo a ninguém, porque ao primeiro estrondo escondiam-se debaixo da cama... ao lado do ditadorzinho!

São tigres de papel velho, que nem para reciclar prestam...!

Bjs.

Anónimo disse...

[url=http://kaufencialisgenerikade.com/]cialis[/url] cialis 20mg
[url=http://acquistocialisgenericoit.com/]acquisto cialis[/url] cialis compresse
[url=http://comprarcialisgenericoes.com/]cialis precio[/url] comprar cialis original
[url=http://achatcialisgeneriquefr.com/]cialis acheter[/url] achat cialis en france