[ Vox populi vox Dei ]

2010-07-27

O 40º ANIVERSÁRIO da MORTE do GRANDE " INVESTIDOR" da NAÇÃO

Um 'olhar' do Jornal i - sobre Salazar


.
.Carantonha desinteressada
de
Mr. Bean




.


Salazar é o "melhor investidor sem ganhos"


.


.

A Bloomberg está hoje a elogiar a "astúcia" de Salazar enquanto investidor. É que o "falecido ditador português" foi responsável pela "maior reserva de ouro da Europa".

.

Elogio ou não, Salazar recebe o título de “melhor investidor sem ganhos”, já que foi o responsável pela aquisição de 695 toneladas de ouro em 24 anos. E tudo com receitas de exportações como volfrâmio e atum enlatado.

.Como o ouro valorizou 26% no ano passado e este é o décimo ano de valorizações consecutivas, a decisão do antigo ditador deixa o país com um activo cada vez mais valioso, diz a Bloomberg. Mas também um de que não pôde beneficiar nas situações de maior aperto por que já passou.

João Lima da Bloomberg explica assim, que Salazar poderia ser lembrado como “o melhor investidor português”, se as regras do Banco de Portugal (BdP) “permitissem ao país beneficiar do seu negócio mais astuto: A maior reserva de ouro da Europa”, face à dimensão da sua economia.

É que o ouro do país é gerido pelo BdP, cuja lei diz que os ganhos de alienação de activos têm de ser colocados numa reserva e pagam dividendos em função dos resultados com juros e activos.

.Assim, as reservas de ouro que equivalem a 6,8% do PIB português, não impedem a Standard & Poor’s de atribuir a segunda pior classificação de crédito da Zona Euro a Portugal.

.Terão sido mais úteis após a revolução de 1974, quando o país chegou a ser um dos mais pobres da Europa Ocidental. É que nesse período, o BdP podia criar moeda. Hoje, como não pode, a Moody’s “não olha” para as reservas de ouro, quando avalia a qualidade de crédito da republica.

“Com a subida do preço do ouro têm bons ganhos em balanço, mas não os podem realizar”, disse o estratega do Commerzbank, David Schnautz à Bloomberg. “É um pára-choques para um cenário extremo”, acrescentou.

O Banco de Portugal vendeu ouro entre 2003 e 2006, ao abrigo de um acordo com outros bancos centrais europeus, que limita as vendas de ouro, segundo disse o BdP.

As suas reservas são hoje de 382,5 toneladas de ouro, que estão avaliadas em 14,7 mil milhões de dólares ou 6,8% do PIB.

.

Já as reservas da Alemanha são de 4,2% do PIB, as de Itália equivalem a 4,8% e as da Grécia são iguais a 1,4%.

.

“As reservas de Portugal são muito antigas”, disse o presidente da Associação Portuguesa de Bancos, António de Sousa, à Bloomberg.

.

“Além do valor simbólico muitas vezes atribuído ao ouro, é um activo como qualquer outro. É uma questão de gestão de carteira”.



.

Para além dos recentes 'êxitos editoriais' sobre Salazar, da iniciativa de muitas inteligências "cripto-históricas", neste 40º aniversário do seu passamento temos diversos artigos jornalísticos da mais refinada 'objectividade' económica, como o artigo que transcrevemos do Jornal Económico, iluminado artisticamente pelo Jornal i (...)

.

Depois de quase ser proibido falar de Salazar, não há espaço nas prateleiras para acondicionar tantos livros sobre a vida, as emoções, motivações, etc., do homem que "ganhou" as primeiras 'eleições democráticas' a que foi sujeito, à sua revelia, no Programa da R.T.P. - "Os Grandes Portugueses"!

.

Como sempre, este espaço de blog está aberto a todos os comentários!




9 comentários:

Luís Coelho disse...

Quer se queira aceitar ou não Salazar, ele continua fazendo parte da nossa história recente.
Como todos os políticos teve coisas boas e más.
As más foi não ter tido coragem de deixar o país avançar e usar de muita repressão para quem era contra a sua política.

trepadeira disse...

Enquanto não assumirmos os erros não poderemos corrigi-los.
Tudo isto demonstra que a revolução está por fazer.
Um país ou uma nção nunca podem ser um homem.Quando o são é porque falta cultura,é também e sobretudo uma ditadura.As ditaduras assentam sempre em tiranetes com medo do povo.
Não gosto de agiotas que matam o povo à mingua,seja para encher os cofres deles ou de qualquer banco.
Não troco as minhas dúvidas pelas certezas de qualquer iluminado.
A nau catrineta continua mais actual que nunca.
Não preciso,nem quero,que mandem em mim.Sei bem como penso e para onde quero ir,mesmo que para aí não haja ainda caminho.
Esta nação teve sempre de lavar a história para não se sentir envergonhada de quem a comandou e comanda.
Não gosto de dias de nevoeiro,nem de sal ou areia nos olhos.
Obrigado César pela provocação.Irá dar azo a comentários interessantes.
Deixo Aleixo:
"Quantas sedas aí vão
quantos colarinhos
são pedacinhos de pão
roubados aos pobrezinhos".
mário

César Ramos disse...

Luís Coelho,

É verdade o que diz. Esconder a História não é atitude inteligente,
porque é através dela que se pode preparar melhor o futuro.

Um abraço
César

César Ramos disse...

Caríssimo Mário,

Começo por agradecer o poema de António Aleixo que até vem muito a propósito, e é um verdadeiro bilhete postal no seu completo comentário.

Descobriu-me a 'careca'! Foi mesmo para 'provocar' que fiz este post, tentando recolher comentários interessantes!...

On verra!

Aquele abraço.
César Ramos

Marilu disse...

Querido amigo, sou filha de pai e mãe portugueses que viveram na época de Salazar. Para o meu pai não havia ninguem melhor que Salazar, outros dizem que ele foi um tirano, como não estou muito a par da história portuguesa, fico realmente sem saber..Beijocas

Anónimo disse...

Vão -se os anéis fiquem os dedos,isso é o K importa e neste caso K a História não se repita.
Que se lixe o ouro...
Respeite-se a voz do povo, a liberdade...
Salazar representa o atraso, a fome, a guerra, o medo... "o
orgulhosamente só"
Beijo

César Ramos disse...

Hello, "Beijo"!

É a primeira vez que aparece um Anónimo que não o é, pois tem o perfil do Zé Povinho, justo e autêntico!

Um abraço a este comentário
e a quem o escreveu!

César

César Ramos disse...

Marilu,

Obrigado pelo comentário e também pela sua franqueza.

Entretanto, se me permite, Salazar transformou-se numa curiosidade histórica, reivindicado por saudosistas ou diabolizado por opositores.

Cair... cair, caíu numa cadeira de repouso, que lhe resultou na morte física.
Cair em termos de derrota de revolução na rua, coube esse destino ao Prof. Marcelo Caetano que podia ter democratizado o país, e não fez muito por isso!

A Marilu dispõe actualmente de bastante informação (livros e revistas) para se informar sobre Salazar.
Se tem interesse, investigue por si própria, à luz da sua consciência, lendo opiniões dos diversos círculos de opinião e, tire as suas próprias conclusões.

Porém, julgue o 'Homem e a Obra' sem contudo esquecer alguma vez os que sofreram e morreram - por delito de opinião - sob o jugo do regime político de que Salazar foi mentor.

Um abraço
César Ramos

Luisa disse...

Do saudosismo à diabolização, varia o sentimento pelo Ditador.
Quem o o venerava e quem ainda o admira, não sabe, ou não sofreu na pele o regime autoritário e repressivo, não lhes deve fazer diferença, haver ou não liberdade de expressão. Foi de facto um regime tacanho, mesquinho, fascista, que espancava e prendia quem não comungava da mesma opinião. Havia muita fome e muita iliteracia. Tenho memórias bem traumatizantes!

Devia-se esmiuçar o regime até ao tutano, e não se andar para aqui com meias palavras a tratar-se do assunto com pinças. Seria bom para os mais novos poderem fazer a sua apreciação.
Devia ler-se o que prolifera por aí sobre o Ditador, para que não se desvaneça nada da memória.

Fascismo nunca mais! está na nossa mão.

Beijinhos