[ Vox populi vox Dei ]

2010-06-13

« EM NOITE de SANTO ANTÓNIO de LISBOA »

SANTO ANTÓNIO
[15.08.1195 - 13.06.1231]


. Portugal, terra morena
Onde a tristeza é cantada;
Onde o amor é motivo
De quatro versos rimados;
Onde o ciúme é lamento
Numa rima que embeleza
E prende a voz do poeta
- E a própria desgraça tem
No soluçar da guitarra
A melodia do fado...
Portugal, terra morena
Das serenatas, das loas,
Das desfolhadas, das rodas
- Tudo motivo de versos
Que o povo faz e entoa...
Terra morena embalada
Nas ondas da beira-mar
Que lhe dão o ritmo certo
Das cantigas populares...
Terra morena do vira,
Da chula, do corridinho
E do fandango - do Sol
Das saudades e do vinho! ...
Esta é a terra trigueira
Que baila ao som do harmónio,
À luz que vem da fogueira,
Em noite de Santo António!

Saltar a fogueira


.
No arraial
.
.





.QUADRAS dos MANJERICOS


.=+=


.
.Há rosmaninho do monte
Ardendo pelas fogueiras!
- Vão a caminho da fonte
As raparigas solteiras...
.
Em cada peito, um desejo;
Em cada boca, um sorriso...
- Salta a canção, foge um beijo...
Que mais, que mais é preciso?
.
A noite pode ser fria;
A vida pode ser dura:
Vem da fogueira a magia
Que torna tudo ventura!
.
Rapazes e raparigas
Na tentação dum harmónio
Dançam rezando cantigas
Em honra de Santo António!
.
Que noite! pelas aldeias
Do Norte ao Sul do País
Até nas moças mais feias
Há um sorriso feliz...
.
Porque o Santo português
Da tradição popular
De entre os milagres que fez
Fez o verbo namorar...
.
Raro destino dum Santo!
- Tornar-se tão pecador
Que possa importar-se tanto
Com pecadinhos de amor!
.
Quanto pode a tradição!
Quanto pode a voz do povo!
Geração em geração
Santo António é sempre novo!
.
E cada Junho que passa
Santo António se renova
Trazendo virtude e graça
Que o povo põe numa trova...
.
Talvez que seja pagã
A tradição popular
Mas é tão casta, tão sã
Como a brancura do altar...
.
E das fogueiras acesas
Vem o cheiro natural
Dos montes e das devezas
Da terra de Portugal!
.
Pode a mirra ser mais benta,
Ser o incenso mais nobre
- Na fé que tudo sustenta
Também é rico o mais pobre...
.
Rosmaninho que é rasteiro
E que tem tão triste flor
Tem nesta noite mais cheiro,
Parece que tem mais cor...
.
Os próprios manjericões
Debruçados nas janelas
Dão calor aos corações
Saltitantes das donzelas...
.
Há quadras ao desafio
Em derredor da fogueira
Cujo tom é tão sadio
Como a voz da cantadeira:
.
«Olha a silva do valado
A presunção que ela tem!
- Viu-te passar a meu lado
E quis prender-te também...»
.
E não demora a resposta!
A voz de alguém que se esconde
Para mostrar de quem gosta
Sobe mais alto e responde:
.
«Se passaste à minha porta
Não tornes mais a passar...
A minha rua é tão torta
Que podes lá tropeçar...»
.
A fogueira continua!
Parece ter mais rubor
Ouvindo a voz que flutua
Por força e graça do amor!

Descendentes do SERMÃO de Stº ANTÓNIO aos peixes
.
...É assim que o povo reza
No rosário dum harmónio
Ao pé da fogueira acesa,
Em noite de Santo António!
JERÓNIMO BRAGANÇA
Autor deste poema
publicado no
Século Ilustrado de
11 de Junho de 1949








.
Nota:
Jerónimo Bragança foi autor de milhares de poesias
considerado [no tempo] o mais 'fiel letrista'
das músicas do compositor Nóbrega e Sousa.

4 comentários:

Maga disse...

Stº.António é o meu preferido, sem duvida!
É um Santo simpático em todos os seus aspectos, tem muitas serventias, casa as meninas, acha as coisas perdidas, até fala aos peixes...
Amigo, gostei muito sinceramente da sua postagem, o meu Santo Padroeiro ficou muito bem mostrado!
Um abraço

trepadeira disse...

Meu caro César

Vivam as sardinhas.
Espero que alguns se engasguem com as espinhas.

Um abraço,
mário

Post scriptum:
Deixei um convite,também e sobretudo,para os amigos,no trepadeira.

Luisa disse...

As lembranças que tenho dos festejos de Stº António, são mistas, entre o divertimento e a agonia de ver a minha irmã caída numa fogueira. Divertíamo-nos muito, e numa fatal noite um engraçadinho chocou com ela, e.... Nunca mais gostei de destes festejos.
Gosto muito de sardinhas quando pingam no pão.

Abraços
Luisa

Palma disse...

Bela homenagem a Stº António que foi um dos mais eruditos e brilhantes oradores sacros de todos os tempos. E depois as tradições à sua volta são anualmente comemoradas um pouco por todo o lado e com aquele verdadeiro gosto popular. Talvez por isso tem passado séculos fora...E Viva Stº António. Palma - louletania