[ Vox populi vox Dei ]

2010-02-12

« FILHO da MÃE (...) sem Retrato! »




Abortado... e enterrado, sobreviveu até ser descoberto por um cão. Esta pessoa, mãe porque fisiologicamente pariu, não é um animal, pois isso seria ofensa ao maravilhoso cachorro que descobriu o paradeiro do filho que condenou à morte por sufocação.


Cada dia que passa me surpreendo mais com o ser humano! Como é que alguém pode ter iniciativa para praticar um acto tão monstruoso com o seu próprio filho?


Como entender..., imaginar... o que quer que seja, na cabeça de uma mulher que assim procede:


Lucinda Ferreira Guimarães [nome suposto], de 40 anos de idade, será indiciada por tentativa de homicídio, sob a acusação de dar à luz e enterrar vivo um menino recém-nascido, num terreno baldio.


Segundo informações, a criança só sobreviveu por estar enterrada de pé, tendo o cão cavado um pouco a terra ao redor da sua cabeça, deixando-a descoberta, e por causa do calor do solo que manteve a temperatura corporal.














A Polícia foi requisitada pela população através de denúncia anónima, para tomarem conta de ocorrência de abandono de criança enterrada num matagal.


De acordo com as primeiras averiguações, uma mulher teria sido vista no regresso a casa, ao entardecer, com as roupas manchadas de sangue, o que chamou a atenção de vizinhos que observaram os movimentos da suspeita que, sabiam, estar grávida até então.











Para surpresa da vizinhança local, depois de um busca nas proximidades, encontraram na toca de um animal do mato, um recém-nascido que estava coberto de bichos e moscas.


Passavam 24 horas depois do eventual aborto, e os vizinhos decidiram chamar a Polícia, pois achavam que o recém-nascido não estaria vivo.












Ao chegarem, os Agentes de Polícia perceberam que o bébé estava vivo, e tiraram os restos de terra da boca e imediatamente o encaminharam ao Hospital.


No local, uma Brigada de Polícia levantou um Auto, procedeu a diligências e a investigação levou-os a detectarem a mãe da criança num Bar, nos arredores do local do macabro achado, e deu voz de prisão à alegadamente suspeita.








A mãe, na Esquadra de Polícia e até ao momento, não pode ser ouvida sobre os motivos que a levaram a cometer tal atrocidade, pelo "estado de choque" em que se encontra.


O recém nascido será observado nos próximos dias no Hospital e, possivelmente, não ficará sob os cuidados da mãe.


É um menino, e nasceu de oito meses.






Lucinda é mãe de quatro filhos e esta, era a 5ª gravidez. Estava casada pela segunda vez, e o filho não era deste último marido



Nos tempos que correm, até para ter uma [boa] mãe...



é preciso ter sorte...!






























































































































































4 comentários:

Betz disse...

Que horror... tadinho do bebé. Que imagens chocantes.
Este blog tanto surpreende como choca. É bom... ao menos ficamos inquietos e com vontade de mudar qualquer coisa... em nós e no mundo.
Beijinhos
B

Zoe disse...

que história mais chocante! que nojo de pessoa! fiquei arrepiada, se não o podia criar, porque não o abandonou à porta de alguém? À minha, por exemplo,
abraço
zoe

Luisa Moreira disse...

César,

Tal como a Zoe também gostaria, que mo abandonassem à minha porta.

Um blog também serve para denunciar estas coisas.

Abraços
Luisa

Guto disse...

O bicho gente é capaz das coisas mais assombrosas do mundo. Meu Deus, que coisa bizarra!!!