[ Vox populi vox Dei ]

2009-12-10

« RENÚNCIA À DITOSA ... E AMADA PÁTRIA ! »


.MARIA JOÃO PIRES 'aquece', pouco antes de o Público entrar.

December 9th, 2009
.
«Maria João Pires não teve muita sorte com o país em que nasceu. Sessenta anos de carreira (e que extraordinária carreira a sua) justificariam uma homenagem de âmbito nacional capaz de expressar a nossa gratidão por pisarmos o mesmo chão e respirarmos o mesmo ar.
.
Não será assim, pelos vistos, ainda que não lhe venham a faltar na terra portuguesa outras manifestações de admiração e respeito. Foi em casa de uns amigos que a ouvi pela primeira vez, quando ela não passava de uma adolescente que, com o seu frágil corpo, mal parecia haver saído da infância, e que me fez temer se os braços e as mãos lhe chegariam para enfrentar-se ao gigantesco teclado. O piano familiar, vertical, talvez não estivesse em perfeito estado de afinação, mas as primeiras notas saltaram límpidas, cristalinas, dando-me a sensação, não de serem a mera consequência do choque dos martelos com as cordas, mas de haverem brotado directamente dos dedos da própria pianista.
.
Foi o meu baptismo na arte de Maria João Pires. Depois, ao longo dos anos, sempre que ela, já viajante emérita, aparecia por Lisboa a dar os seus recitais, eu lá estava, rogando às potestades celestes que a protegessem do mau-olhado, de um simples sopro de ar que a perturbasse.
Talvez por efeito das minhas petições e do crédito que tenho no céu, todos os concertos e recitais de Maria João Pires a que assisti chegaram felizmente ao seu termo.
.
Desta vez, por razões de distância e também de saúde, não poderei estar presente, dar palmas e beijar as suas mãos tão cheias de música, de humanidade, de beleza.
.
Por tudo o que me fez ouvir e sentir,
.Maria João, obrigado.»

.
Texto integral de José Saramago in: http://caderno.josesaramago.org/
Imagens - Internet
.Nota do Alfobre:
.
Porquê a Pátria tem de ser ingrata para com os seus melhores? A quem serve a desertificação cultural do nosso País? A mediocridade?... a inveja?... o destino "chico esperto" de que quem tem olho é Rei...?
.
Meditai no seguinte extracto do Poema de Jorge de Sena, «A PORTUGAL» :
.
"... nem pátria minha, porque eu não mereço a pouca sorte de ter nascido nela."
.
(...)
Oh! Terra de ninguém, ninguém, ninguém!
Eu te pertenço.
És cabra! És badalhoca!
És mais que cachorra pelo cio!
És peste e fome, e guerra e dor de coração!
Eu te pertenço!
Mas seres minha, não!
.
[Desprezam-se as pessoas!... mais tarde,... vêm as trasladações e outras ostentações!]

2 comentários:

Luisa Moreira disse...

César,

Infelizmente nunca damos valor aos nossos talentos, sejam de área forem. Há muitos talentos lusos, espalhados pelo quatro cantos do mundo. Procuram, quem lhes os aprecie, visto que neste rectângulo, quase os ignoram. Tem que haver educação, a todos os níveis, porque se perguntarmos a certos jovens, quem é Maria João Pires? talvez tenhamos uma resposta desconcertante.
Pensemos que o orçamento para a cultura é ínfimo, assim não vamos a lado nenhum.

Que boa dicção, a de Eunice Muñoz

Abraços
Luisa

Palma disse...

O que a Luísa refere é certo embora à Maria João se tenham ouvido umas coisas um tanto ou quanto «semi fúsicas ». Mas isso não tira nada do mérito que a pianista é detentora. Palma