[ Vox populi vox Dei ]

2009-12-04

«CHINA ... A TERRA PROIBIDA...»











.



.[PEARL S. BUCK (1892-1973), romancista americana, autora de obras divulgadoras de costumes chineses - "A Terra Chinesa"; "A Mãe"... foi a primeira mulher a receber o Prémio Nobel da Literatura, em 1938. Intelectual de intervenção, libertava pensamentos tais como "Ando tão absorvida pelas maravilhas da Terra e da vida que há nela, que não consigo pensar em céus ou em anjos...! Se não há nenhuma vida para além desta, esta já foi suficiente para que tenha valido a pena nascer. Não preciso de qualquer outra fé, além da fé nos seres humanos.]



.

Pearl Comfort Sydenstricker, nasceu a 26 de Junho de 1892 em Hillsboro, no Estado Americano da Virgínia Ocidental. É a quinta de um total de sete filhos de Absalom e de Caroline, missionários presbiterianos na China que estão de volta à sua cidade sulista, apenas pelos poucos meses de uma licença de férias.

.

Três dos irmãos de Pearl já haviam morrido de doenças tropicais, comuns na região onde viviam na China, e o que sobrevive, Edgar, tinha 12 anos quando ela nasceu. Voltaram os quatro para a China tinha ela três meses, o que faria dela uma perfeita bilingue.

.

O pai, homem austero dedicado às traduções da Bíblia do grego para chinês, teve de mandar a mulher e as filhas para Xangai, quando a região onde viviam se tornou um lugar inseguro pela acção violenta de forças rebeldes. Um dia, o próprio Absalom chegou a casa ferido depois de ter estado amarrado, enquanto um chinês convertido ao cristianismo era torturado. Os rebeldes queriam libertar a China de influências ocidentais, punindo severamente todos os que tivessem aderido à religião dos missionários.

.

Em vez de um desiquilibrio ou contradição perturbadora, a mistura entre os dois mundos garantiu a Pearl uma formação humanista e de apelo à tolerância. Não que as coisas lhe fossem assim apresentadas; pelo contrário, cada uma das suas fontes de conhecimento se auto-classificavam como verdadeiras e essenciais, empurrando a outra para o plano da curiosidade antropológica ou ainda pior! Mas encarregou-se da síntese, sentindo-se desde pequena atraída por exemplo, por algumas óbvias semelhanças entre Jesus Cristo e Confúcio. A primeira foi-lhe dada em casa, pela mãe e por um perceptor chinês, mas pelos 15 anos foi para um colégio interno em Xangai, arranjando tempo para trabalhar num lar para raparigas chinesas que antes foram escravas ou prostitutas - Instituição Door of Hope.

.

Mais tarde foi para os Estados Unidos estudar psicologia. A família acompanhou-a na viagem, num trajecto pela Europa, conhecendo o Velho Continente antes de a deixarem no destino onde estudou e se licenciou.

.

Terminado o curso , considerou mesmo ficar na América, mas teve de regressar à China para tratar da mãe, que contraiu uma grave doença tropical, exigindo cuidados especiais durante mais de dois anos.

.
A vida foi evoluindo, tendo-se casado, divorciado, mas sempre desenvolvendo bastante actividade literária, chegando à obtenção do Prémio Pulitzer através do mérito da sua escrita em tom bíblico, à mistura com narrativas chinesas, sendo traduzida para mais de trinta línguas; a abordagem entre o Oriente e o Ocidente, apaixonaram milhões de leitores a acompanharem o seu empenhamento, num mútuo entendimento entre o Extremo Oriente e as sociedades ditas Ocidentais.

Apesar dos milhões de livros não se contentou com a fama e o proveito, e nunca deixou de intervir pelos direitos humanos, com todas as forças da sua determinação.
A guerra civil aconteceu com os inevitáveis episódios de terror entre forças pró-comunistas e tropas nacionalistas, nos quais muitos ocidentais foram assassinados. Ela e a família tiveram de se esconder, para salvar as suas vidas, sendo evacuados para o Japão. Mas a agitação, as mágoas familiares e as múltiplas viagens, não impediram nunca Pearl de escrever regularmente.
.
Durante a Segunda Guerra Pearl manifestou-se, também em conferências e palestras, por um entendimento mútuo entre a Ásia e o Ocidente, vindo depois a fundar a East and West Association. Criou o termo Amerasian para os filhos de mulheres asiáticas e de soldados americanos, crianças abandonadas e legalmente excluídas dos centros de adopção, e em 1949 fundou uma associação de adopção internacional e multi-racial. As relações amorosas nos seus livros envolvem diferentes geografias e etnias: uma antiga escrava americana com um combatente branco, em The Angry Wife (1949), e uma rapariga japonesa e um soldado americano em The Hidden Flower (A Flor Oculta, 1952).
.
As suas actividades pela Defesa dos Direitos Humanos levaram o FBI a mantê-la sob vigilância política. O célebre e propalado nome da Polícia Federal teve sempre um manto de arminho a "doirar a pílula" na investigação de crimes, amaciando o imaginário dos apaixonados por ficção policiária, deixando-os adormecidos, sem ligarem de que se trata de uma organização policial com características persecutórias do pensamento, muito embora, actuante no 'reino' que alegadamente "inventou" a maior 'receita' democrática do mundo!
.
Porém,... Pearl S. Buck quanto a uma eventual tendência pró-comunista, o FBI podia estar descansado -, nem na muito amada China ela suportaria o totalitarismo implicado nos regimes comunistas !
.
Depois de 1960, ano da morte do seu companheiro Richard Walsh - Editor americano com quem casara em 1935 - no dia 11 de Junho (no mesmo dia em que se divorciara de John! ) - Pearl junta-se a Ted Harris, professor de dança, quarenta anos mais novo, que assume as crianças que tinha adoptado, até um total de nove filhos, e vem também tomar conta da Fundação criada por ela e pelo falecido marido.
.
Mais de oitenta livros publicados, entre romances e teatro, contos e poesia, biografias e textos para crianças. Fora os cinco romances que assinou como John Sedges, e as traduções do autor chinês Lo Guangzhong (1330-1400). À imensa produção literária desta mulher criada numa China que ela aprendeu a amar como sua terra natal, soma-se os prémios Pulitzer e Nobel, e ainda à distinção acrescentada de ter sido a primeira mulher - como já referimos - a recebê-los, por uma obra de... ficção! (Edna St. Vincente Millay recebera um Pulitzer, pela poesia).
.
O tom dos seus escritos vem a vinculá-los a essa época de profundo deslumbramento do Ocidente perante as pérolas da cultura chinesa antiga, com as revelações extraordinárias de Confúncio e as inspirações budistas e taoistas.
.
CONFÚCIO [Mestre Kung], Fundador da corrente filosófica do confucionismo, nascido em 28 de Setembro de 551 A.C. e falecido em 479 A.C., desenvolveu uma doutrina que teve influência não apenas na China, mas também sobre toda a Ásia Oriental.
Criou um sistema de moral e de conduta que situa em primeiro plano, o esforço constante para cultivar o espírito da pessoa humana e estabelecer a harmonia no corpo social. Todo o sistema se funda nos deveres recíprocos dos homens, e no zelo respeitador de muito amor pela Humanidade.
.
Foi o Autor de "Analectos de Confúcio" ou "Diálogos de Confúcio": - o Livro mais importante do Confucionismo , constituído por uma selecção de textos atribuídos ao pensador chinês e aos seus discípulos. Um exemplo de uma das suas máximas:
.
«O Mestre disse: " Uma vez passei todo o dia a pensar sem comer e toda a noite a pensar sem me deitar, mas descobri que não lucrei nada com isso. Teria sido melhor ter passado o tempo a aprender».
.
Grande admiradora e seguidora da Filosofia de Confúcio, incutiu nas suas obras a essência do seu pensamento; e assim, para além do valor que adquirem por isso mesmo, livros como Terra Bendita revelam ainda uma postura teimosamente humanista, de tolerância e compaixão, que seria banida na China Totalitária e que fará dela, uma das Escritoras mais procuradas no mundo, por alturas da Guerra-Fria.
.
.PEARL S. BUCK morre a 6 de Março de 1973 em Danby, no Estado de Vermont. Quase 80 anos de empenhamento, muitos e honrosos frutos: acima de tudo, abriu promessas de futuro para crianças ásio-americanas abandonadas.
.
Na velhice... guardava sobretudo o desgosto de ver então [e agora], uma TERRA PROIBIDA!...
.«Recuso-me a chamar-lhe país inimigo. As pessoas na minha memória são demasiado boas e a terra demasiado bela.»
.
O oportunismo empresarial mundial está a aproveitar-se dos baixos salários (?) do povo chinês canalizando para terras de Confúcio encomendas, deixando para trás, a ocidente, um rasto de desemprego sem igual! (...)
.
Napoleão Bonaparte, um dia deduziu esta expressão: «Quando a China despertar... o mundo tremerá». Na verdade, não sei se foi a China que despertou,... mas o mundo do tecido laboral internacional encontra-se num processo acelerado de desmoronamento, sem hipóteses de se poder fazer qualquer futurismo mais optimista! (...) Salvar-se-á entretanto o povo chinês?... com a prevaricante indiferença e nega ao recurso dos ditames dos direitos humanos?... responda quem souber,... quiser,... ou puder! Por mim,... acho que não! O processo de 'esclavagismo' continua em movimento uniforme, e em curso ...!
.
Por terras do Sol Nascente as coisas passam-se dentro destes parâmetros e, a Ocidente, existe a disposição de se estarem nas tintas,...
Talvez ... «Made in China»!!






1 comentário:

Luisa Moreira disse...

César,

Interveniente, pelos direitos humanos. Fundadora de uma associação de adopção internacional e multi-racial, estamos perante uma Mulher de fibra
de coragem, que era preciso ter, ao tempo de sua juventude e de mulher. Não conheço a sua escrita, uma lacuna minha, por isso vou ficar atenta ás suas obras publicadas. Calculo que seja uma escrita avançada para o seu tempo visto, ela o ser. Entre palestras, escritas, acções humanitárias, ainda teve tempo para o Amor.

Abraços
Luisa