[ Vox populi vox Dei ]

2009-10-03

« O VOTO das MULHERES »









.

Ana de Castro Osório (1872-1935), escritora e activista republicana, pioneira em Portugal na luta pela igualdade de direitos entre homens e mulheres, foi autora de " Às Mulheres Portuguesas", em 1905 - aos 33 anos -, o primeiro «Manifesto Feminista Português».
.
No mundo e em particular Portugal, lutava-se pelo sufrágio universal [o voto das mulheres] em oposição ao sufrágio restrito, consciente na extensão do sufrágio, ou o direito do voto a todos os indivíduos acima de determinada idade, sem distinção de étnia, sexo, crença ou classe social.
.
Até ao Séc. XIX, por "sufrágio universal" entendia-se o voto de homems adultos. Entretanto, no início do Séc. XX o direito ao voto foi estendido às mulheres na maioria dos países democráticos.
.
Publicámos recentemente um 'post' de incentivo ao voto [ To Vote, Or Not To Vote...] que suscitou diversos comentários, quanto ao historial do direito de as mulheres votarem (...)
.
Entendendo que nunca é demasiado "esmiuçar" toda e qualquer questão, eis-nos de novo incitando os caríssimos cibernautas a dizerem o que acharem por bem, sobre a luta titânica que as mulheres desenvolveram pelas suas causas,... que,... são,... afinal,... causas de toda a Humanidade!
.
Por que era assim tão importante o voto? Inibidas do direito do voto, as mulheres não tinham uma palavra a dizer sobre quem governava o país nem podiam participar no governo. O poder residia todo nas mão dos homens, e estes não tinham em conta os pontos de vista das mulheres.
.
Enquanto as mulheres não pudessem votar, o Parlamento não teria motivo para escutar as suas pretensões. Os deputados só passariam a prestar atenção aos desejos das mulheres quando necessitassem do seu apoio para serem eleitos.
.
O facto de as mulheres não poderem votar, era bem revelador da atitude de uma sociedade que considerava as mulheres cidadãs de segunda classe. Ganhar o direito de voto, era um passo vital para a igualdade com os homens [ apenas o primeiro passo! ] !...
.
Em 1893, a Nova Zelândia concedeu o direito de voto às mulheres, seguida de perto pela Austrália em 1894.
Incentivada por esta conquista, em 1897, Millicent Fawcett funda na Inglaterra a União Nacional das Sociedades pelo Sufrágio das Mulheres. Os membros da união - as sufragistas - fizeram petições ao Parlamento, escreveram panfletos e organizaram manifestações a favor do voto das mulheres. Nesta altura, as mulheres que mais combateram pelos seus direitos foram as inglesas e, em particular, as sufragistas de Londres.
.
Em Portugal, em 1914 as mulheres portuguesas organizaram-se e fundaram o "Conselho Nacional das Mulheres Portuguesas", batendo-se pelo direito ao voto, à educação, ao divórcio e à propriedade.
.
Em 1903, a inglesa Emmeline Pankhurst decidiu que a única maneira de as mulheres conseguirem obter o voto era lutarem por ele! Com as filhas, fundou a "União Política e Social das Mulheres", a que se juntaram mulheres de todos os pontos do país.
.
(...) Auto intitularam-se... sufragistas !....
.
A 1ª Guerra Mundial (1914-18) representou uma viragem para as mulheres; assim, por volta de 1915, tendo os homens sido mobilizados para a guerra, as mulheres tiveram de ocupar os lugares que eles deixaram vagos, na indústria, nos transportes, bancos, função pública e outros serviços ...
.
ANA DE CASTRO OSÓRIO, funda a Cruzada das Mulheres Portuguesas, para apoiar os soldados portugueses que participavam na guerra. Em 1917, foi a vez de as forças armadas precisarem de mulheres para colaborar como Secretárias, Cozinheiras e Motoristas.
.
No final da guerra, os governos já não podiam continuar a ignorá-las. A 17 de Fevereiro de 1918, em Inglaterra, foi aprovada uma lei que dava o direito de voto às mulheres maiores de 30 anos, desde que, fossem, ... possuidoras de bens (...)
.
Progressivamente,... foram ganhando a luta pelo direito ao voto, sem restrições de riqueza, classe ou raça.
.
Em Portugal,... em 1931... reconheceu-se o direito de voto às mulheres diplomadas com Cursos Superiores ou Secundários!... enquanto que, aos homens apenas era exigido que soubessem ler e escrever! (...)
Antes disso, em 1911, a médica CAROLINA BEATRIZ ÂNGELO, viúva, votou em eleições portuguesas, invocando a sua qualidade de Chefe de família,... !
.
Porém, mais tarde (...), para evitar este tipo de precedente [muito embora o voto dela tenha sido considerado à revelia com base no sentido plural da expressão "cidadão português"] e anular 'seguidismos', a lei recebeu o 'retoque' para: " Chefes de família do sexo masculino"!... « por causa das moscas» !...
.
Só em 1974 ... com a revolução de 25 de Abril, foram abolidas todas as restrições baseadas no sexo quanto ao direito de voto dos cidadãos.
.
Então,... a vitória do voto representou o fim da Luta pelos direitos das mulheres? Nem por isso!...
Essa foi só a primeira vitória numa longa guerra, com batalhas ganhas, mas... que ainda hoje se trava, e parece ter um longo caminho a percorrer (...)
.
Depois de tantos séculos de opressão, seria pouco provável as mulheres alterarem as atitudes masculinas de um dia para o outro!... Parece ser difícil vencer tal inércia!... apesar da Democracia,... tão apregoada!
.
Ganhar capacidade de votar era vital, na medida em que, sem ela, as mulheres nunca conseguiriam alterar a Sociedade, ou seja, a maneira como eram tratadas e o que delas se esperava.
.
Mas havia - e ainda há -, que ultrapassar muitos outros obstáculos.
.
Tiveram recontros violentos com a polícia inglesa em Novembro de 1910, na «sexta-feira negra», cinquenta mulheres ficaram gravemente feridas e duas morreram, prendiam-nas quase sempre, mas, ainda assim, conseguiam continuar o protesto fazendo greve da fome!
Em 1911, o governo britânico prometeu o direito ao voto às que possuíssem bens!... mas, não cumpriu e, ... indignadas,... partiram janelas, danificaram bens, e bombardearam edifícios públicos com bombas caseiras.
.
A guerra com a Alemanha em 1914, desviou a atenção das pessoas para outras penosas situações!
.
Bom! (...) Pede-se uma pequena pausa,... para fazer uma reflexão.
.
Provado está,... que o comportamento de homens e mulheres tem de ser julgado pelos mesmos padrões ! Então,... assim sendo,...
.
Para quando (...)
o fim da chamada
Guerra dos Sexos!?

5 comentários:

José disse...

Cesar, mais uma bonita lição para mim, só quer dizer que muitas murreram para adquerir esses direitos, e agora que os têm.
São manopolizadas por alguns autarcas Com a imagem do Tiny Carreira e as suas pibalhadas.

Aqui no meu Concelho já teve duas vezes agora vai para o Valentim.

um grande abraço, José

César Ramos disse...

Obrigado JOSÉ por seguir o Alfobre, e ser pontual nesta temática do post.

Por ora, somos apenas amigos cibernautas. Creio no dia em que hei-de escutar a sua poesia, ao vivo!

É Poeta que venera a Mulher e, percebi que lamenta as que tiveram de morrer na luta pela conquista de,... e só, um nadinha de direitos...

Porém, o'bicho homem' - o verdadeiro depredador -, não dá ponto sem nó e, é a partir lá de cima, do PODER,... que joga, compra, corrompe e prostitui tudo, e 'todos'!(...)

Infelizmente,... muitas mulheres também; é nisso que o José vê os actos de manipulação feminina!

A Luta da Mulher não irá mais com violências...! tem de ir com as atitudes firmes de que elas são capazes; já o demonstraram!...

Tem de ir na base de novos Manifestos que desmontem a boçalidade machista; terá de ir, e muito bem,... por exemplo...,
com a sua POESIA!

Luisa Moreira disse...

Gostei muito do seu post que vem de algum modo dar-me alguma razão e, trazer-me mais conhecimento!
Há Mulheres com fibra, só lhes tenho a agradecer e, gostava de fazer algo que, fizesse jus à perseverança delas.


Que tal pensar num post sobre o parlamento, ou os parlamentares? Hoje li algures num blogue que, os parlamentares..... isto e aquilo!
Devíamos, mas não podemos tomá-los por um todo. Há quem se destaque e, seja brilhante!

Abraço
Luisa


José, porque não nos presenteia com os seus poemas?

Luisa

José disse...

Luisa os meus poemas, não sei se poderei chamar poemas, se são apenas
algumas rimas, faço algumas brincadeiras, outras coisas mais sérias, tenho um cantinho onde ponho algumas coisas que vou escrevendo.
O Cesar esse grande homem que tem uma cultura e um coração enorme.
fez alguns comentários, a umas quadras que eu fiz, que fizeram-me chorar e desde dai comecei a pensar que sou poeta, tenho mostrado os comentários aos meus amigos, e todos eles olham para mim com mais respeito.
Estou rodiado de pessoas mais ou menos cultas a mulher tem o nono ano tenho um filho e uma filha são os dois lecenciados, e o meu filho é professor na Universidade do Algarve, e eu tenho apenas a quarta classe

José

Luisa Moreira disse...

Caro José,

O César, só lhe deu um empurrãozinho para lhe abrir o caminho e, mostra-lhe outros horizontes, navegue neles, voe e, sentirá a Liberdade necessária para confiar mais em si.
Acredite e, deixe brotar o Conhecimento que há dentro de si. Tenho a certeza que nos vai deliciar com a sua pureza. Congratulo-me que tenha dado uma educação maior aos seus filhos mas, lembre-se que a grande Universidade é, a sinceridade, a lealdade e deixarmos falar o nosso coração, utilize-o por favor!

Abraço
Luisa