[ Vox populi vox Dei ]

2009-09-06

QUO VADIS, PARIS CINEMA?








Os irmãos Lumière, inventores do Cinematógrafo eram contemporâneos e poderão ter tido conhecimento de que em Portugal, Lisboa, Bairro de Campo de Ourique, tinha nascido uma sala de espectáculos para cinema, com o nome da capital do seu país: PARIS.
Cine Paris primeiro, e mais tarde, noutra artéria - Rua Domingos Sequeira, nº 30 - o PARIS CINEMA .
A Lutécia romana (Gaulesa), 'crismou-se' Paris com o avançar dos tempos e foi alfobre de cultura a todos os níveis, Universidade da vida clandestina e dos intelectuais, gabando-se entre múltiplos factores, ser uma comunidade de três «L's»: luz, luxo e liberdade, acrescentando-lhes o sangue da fraternidade e da igualdade.
Assim nasceu o Cinema PARIS (como deu sempre mais jeito chamar-lhe), com um nome de baptismo carregado de alto astral, apadrinhado de excelsos arcanos que lhe poderia ter traçado um horóscopo de alta qualidade cósmica eterna.
Durante décadas exibiu grandes êxitos em 'perfeita exclusividade', servindo as gentes de Campo de Ourique, Lapa, Estrela, e atraindo espectadores de outras zonas da cidade pela qualidade de serviço e comodidade, acessibilidade de transportes e selecção de filmes em cartaz.
De há uns anos a esta parte, algum tipo de esclerose múltipla atacou o PARIS Cinema, degenerando a doença em qualquer estirpe de lepra, que afastou tudo e todos, fugindo a qualquer supersticiosidade que transformou o reconhecido agradável espaço de lazer, num fantasma da 7ª Arte,... podre,... indescritivelmente desprezado,... dir-se-ia esquecido (...)
O Google salientou este dia como o de recordar fenómenos estranhos, paranormais, do tipo de "encontros imediatos do 3º grau", etc.,... será que algum filme deixou dentro daquelas paredes, miasmas de algo que ofendeu algum dos 'deuses' que teimam mandar no planeta?... quem sabe?...
... alguma maldição assacada à eventual exibição do 'Último Tango em Paris'?... ao "Earthquake"[Terramoto],... ou outro,... " Paris já está a arder"? Algo satânico deverá passar-se, pois não se considera normal o abandono a que todo o espaço está votado... desde a responsabilidade a atribuir a privados,... como a entidades estatais!
Observando as fotografias acima publicadas, comparam-se os tempos do cinzentismo e branco das fotografias, com a modernidade a cores que não consegue disfarçar o gigante «câncer» em que tudo aquilo se transformou.
Transeuntes descontraídos, pelo canto do olho, poderão interrogar-se quanto ao enredo do "filme" que está desde há tempos naquelas paredes anunciado em grande cartaz :
« a VERGONHA ainda não passou por AQUI...»
TAL & QUAL se encontra neste post reproduzido acima, em imagem!
É uma denúncia gritante e legítima! Algum Cavaleiro Ardente dos tempos dos filmes de capa e espada se deu àquela acção lutadora e panfletária, para arranjar solução para o "Santo Graal"!
O grande CARTAZ está anunciando...
Na planta do cinema constam 6 camarotes, 102 balcões, 37 «fauteuils», 281 cadeiras (Plateia) e 119 gerais!
Será que a indiferença,... a incúria... e todos os adjectivos sinónimos da displicência,... ocupantes de todos os lugares sentados que o PARIS Cinema oferece a todos os espectadores, vão manter este "Espectáculo",... sucessivamente em LOTAÇÃO ESGOTADA?
É que há pelo menos duas "espectadoras" há muito em fila de espera, ansiosas para tirar bilhete, e nunca mais têm oportunidade de poderem entrar!...
São elas,... as Senhoras Dona MORAL... e a Dona VERGONHA!!
E, é preciso também ter em linha de conta: há já muita gente a querer vêr este Filme! No fundo, uma reprise de outros temas... sempre com o mesmo final... infeliz!
Acho que assim... este tipo de tratamento da Cultura... é o "Regresso ao Futuro" [outro filme],
mas, ainda mais,... para o tipo do
Cinema Mudo(...)



6 comentários:

APS disse...

Caro César Ramos

Este escrito não está relacionado com este "post" mas sim com o comentário que me foi dedicado em "LHM".

Devido à hora um pouco tardia e talvez acusando o cansaço, devo me ter confundido com a gatinha "JAMILA" da LM.

Peço desculpa ao "BATMAN", por lhe ter trocado o sexo.

É verdade, gosto muito do meu gato! E continuo a dizer que ele cada vez vai fazendo mais parte da família.

Ontem fui a um casamento no Farol da Guia (coisas destes tempos... a cerimónia religiosa começou às 17 horas) e deitou para muito tarde os festejos. A família pedia-nos para ficarmos, mas eu sabendo o sofrimento do meu gato, não consegui ficar.


Um abraço
APS

Zé Manel disse...

Cinema Paris... na rua Domingos Sequera...
Tantas tardes e tantas noites, a ver 2 filmes...
E a fila lá de cima do balcão, para namorar... Naquele tempo era difícil mas lá se conseguia.
Recordações!

César Ramos disse...

Acho que punham 2 filmes que era para compensar o enredo que se perdia com os namoros...

Pessoalmente, nunca namorei nos cinemas!... acho até... que nunca namorei em lado nenhum!... penso que já nasci casado com os problemas da vida!... a própria juventude... para mim,... já foi maioridade pois, emanciparam-me muito novo para enfrentar a obra da estrada que, hoje, a têm já alcatroada e, eu, e todos como eu, tivémos de a abrir para que o trânsito passasse!... e, passou!... até,... uns sinaleiros de polichinelo,... acenderem o semáforo vermelho!

César Ramos disse...

A França é autora, espectadora, e intérprete de todas as formas revolucionárias de os humanos se explicarem sem inibições:

LIBERTÉ ÉGALITÉ FRATERNITÉ

É o que está escrito numa moeda de prata de 50 Francos que tenho junto de mim.

Deveria ser algo sem preço!... não há metal nobre que possa cotar-se ao câmbio daqueles valores: porém, a República Francesa, em 1978 fez esta edição coleccionável - 10 anos depois de 1968 -, apresentando um homem bem constituído, vestido (despido) à Leonardo Da Vinci,... envolvendo num embrace a mulher república, de frígio, e outra mulher de esquadro na mão,...
Símbolos bem paradigmáticos!

agapitos disse...

Je peux dir que sont tres jolie
Very fine blog and photos
Agapitos from Greece
http://aeromodelling-agapitos.blogspot

Waveygirl disse...

Obrigada César por me ter convidado a ler este divertido, mas ao mesmo tempo triste e irónico sobre o Cinema Paris, outrora uma jóia arquitectónica da cidade de Lisboa, construído como um tipico cinema de bairro, capaz de rivalizar com os grandes mastadontes que eram o Éden, Império e Monumental (infelizmente tambem desactivos...o Monumental ressuscitou numa fachada grotesca de vidros, e que agora vive, mais do que uma morte há muito vivida, uma definhação miserável que só faz arrepiar quem passa pela Rua Domingos Sequeira e vê o Paris actualmente. Surgem de imediato imgens do Paris de outrora com a sua placa neon, a marquée da entrada, as escadas...infelizmente nada disso conta, excepto se forem memórias ainda existentes de um cinema do paraiso.