[ Vox populi vox Dei ]

2009-07-31

Cada " Macaco"... no seu Galho!...


Concerto LEONARD COHEN em LISBOA


Sem saber que vinha cá - talvez pela última vez -, antes lembrei-me de exteriorizar o meu apreço por tão prestigiado senhor da poesia e da música, tendo 'atamancado' dois posts sobre uma das figuras que mais tenho seguido,... desde sempre.
Quando se fala deste "bardo" e "trovador" da dor... pois personifica a perda do pai aos 6 anos e
estigmatiza a 'sina' que Deus deu ao 'povo eleito', com o pior dos Karmas, como exclusivo em relação aos não "eleitos",... é costume aliar-se-lhe a' sombra' de Dylan, por também ser um dos líricos pop's...
COHEN é COHEN, "cresceu" sem 'apoderados' e tem feito o percurso de vida na conquista das massas que o acolheram no seu lirismo amargo, por vezes depressivo, mas nunca piegas, como o será sempre na representação da peça da sua existência, conforme diz, até que bem encenada, excepto pelo terceiro acto em que morremos no fim.
O Concerto lá foi, e eu, como já o disse algures... na actual situação de Monge sem Hábito numa missão em nada evangelizadora mas de acompanhamento a familiar na doença, não pude dispor de tempo para ir assistir... por não ter tido ninguém para alternar o meu interminável turno...
Apreciando também a Obra de Bob Dylan, em nada o marginalizo; mas a par do Leonard Cohen, a levantar multidões, encontrei sempre uma grande senhora desta 'galáxia' que figura nas duas fotografias em cima publicadas [Joan e Dylan - Joan Baez e Guitarra].
Posso ser injusto e pecar pelo meu favoritismo, mas pondo a minha ignorância de parte, poucas pessoas me fizeram estremecer tanto com as suas interpretações como a grande JOAN BAEZ!
Que é feito de ti, Joan Baez?...
Valho-me dos meus poucos discos de vinil para beber de quando em vez um 'dedal' do elixir
da juventude e da eternidade!...
Não existisses tu,... e não teríamos Bob Dylan a querer pedir meças a Cohen, como por vezes os mestres do marketing assim gostam de pôr os dois 'atletas' em competição...
Dylan é de facto um valor, e grande!... porém, gostaria de saber se alguma vez soube ter a humildade de reconhecer a Joan Baez o seu lançamento em órbita no estrelato do espectáculo.
Foi ela quem lhe deu a mão, como se costuma dizer!... e ainda bem, pois,... no mundo cão que este mundo sempre foi [ e continua], nem todos podem ser "Leonardos",... e uma ajudinha é sempre providencial,... mas que nunca o protegido 'cuspa no prato da sopa', ou morda a mão que lhe deu de comer (...)
Que é feito de ti... Joan Baez?
O que tens feito, que não te oiço mais?...
Sei que a tua beleza refinou com os anos que têem caído em cima... mas gosto de te ver como eras... e continuarás ainda hoje... e sempre... mais bonita do que foste!
A tua música,... a tua voz,... está registada nos planos cósmicos que tudo gravam, e assim ficarão para todo o sempre... em vibração e sintonia contínua nas pautas da música celestial das esferas(...)
Que o 'terceiro acto' da vida que Cohen fala... seja o mais prolongado possível,...
adiando sempre o cair do pano(...)


4 comentários:

Luisa Moreira disse...

É verdade, que é feito de Joan Baez? Ainda bem que me avivou a memória!

Um abraço

César Ramos disse...

Redigi à pressa este texto como prenda de aniversário a mim próprio,...
recordando uma figura grata e marcante de um passado cheio de coisas muito belas, tão belas como a 'diva' e a sua alma transbordante de 'garra' por causas dignas.

T disse...

Boa evocação a da Joan. Vox poderosa!

gin-tonic disse...

Assinaria por baixo, sem qualquer hesitação. Tem um velho contencioso com o sr. Robert Allen Zimmerman. Reconhece que screveu belissimas canções ("Like a Rolling Stone", por exemplo,)mas, um dia, desencantou-se. Para além de outras coisas, ouvir, hoje, Joan Baez a falar de Dylan em contra campo com Dylan a falar, hoje, de Joan Baez provoca-lhe azias angustiantes. Como Agosto lhe propicia o renascer dos maus fígados de que é proprietário, talvez se lance a escrver o que tem adiado, mesmo sabendo que se colocará a jeito para lhe cairem em cima...