[ Vox populi vox Dei ]

2009-06-22

NATUREZA - MORTA



Com algum esforço de imaginação, poder-se-á 'comparar' a imagem desta ilustração com os famosos fenómenos do Entroncamento, caprichos da Natureza que deixavam de cócoras os amantes pelo estudo da Botânica.

Melancia foi a alcunha de alguém que, devido à sua hipocrisia se fazia passar por sportinguista quando, na verdade do seu íntimo, era do Benfica; para se equilibrar socialmente e não ser votado a algum ostracismo, lá então era 'verde' por fora, mas 'encarnado' por dentro.

Esta nossa curiosa "Natureza-Morta" a simbolizar, ou denunciar algo, ou alguém, torna-se complexa devido à sua "camuflagem" de maçã, quando o seu interior é uma laranja. Stanley Kubrick, autor do fantástico filme «Laranja Mecânica», disse: "Os cidadãos mais moralistas da civilização são hipócritas, sua melhor arte é a camuflagem".

Não descriminando frutos sejam de que natureza forem, existe algum consenso de que quando se fala de maçãs, são sãs, e quando se fala de laranjas, são podres!

Sem dogmatizar, ainda há dias nas comemorações da data de aniversário de Igor Stravinsky se voltou a falar no maior escândalo da música mundial quando, na estreia do fabuloso bailado "A Sagração da Primavera", o público mostrou o seu desagrado pelo espectáculo que achou 'tesourinho deprimente' e, num arraial de pancadaria entre metade da assistência, contra a outra metade, atiraram para o palco e contra a orquestra... laranjas podres!

Voltando à casca desta laranja que faz da imagem da 'natureza-morta' algo ainda mais mortal, vamos ter de dar lugar à apresentação da maçã:

Na mitologia Celta a maçã ocupa um lugar importante representando a imortalidade e servindo de alimento aos mortos (não é lá assim, um ponto tão positivo!). Mas as maçãs são consideradas ainda como símbolo da Alma. Por isso, no festival Celta de Shamhaim - o que deu origem ao Halloween - elas eram enterradas durante a noite para que renascessem na primavera.

A maçã tem também o seu destaque no episódio bíblico de Adão, Eva e a cobra, a juntar a algo que anatomicamente não se percebe quando se pretende que o 'caroço' da garganta dos homens é reminescência da semente da maçã, e botânicamente não se entende, pois a semente da maçã é minúscula!

A mitologia grega que é complicadíssima, daí as pessoas quando estão em dificuldades dizerem que se vêem gregos,... também têm a maçã como arma de arremesso, mas não é podre, é de ouro, e serviu para desempatar concursos de beldades em que uma delas foi Helena, a de Troia, que deu origem a uma guerra e, assim, a maçã ficou por lá como símbolo de discórdia.

Isaac Newton descansava num pomar, quando uma maçã lhe caíu sobre a cabeça. Em vez de procurar uma enfermaria,... "puxou pela cabeça", e transformou o acidente na descoberta das Leis da Gravidade.

Em termos seculares, a maçã funciona com um símbolo do Cosmos, ou Totalidade, por causa da sua forma esférica quase perfeita.

Guilherme Tell lá teve de com um tiro de 'besta' acertar numa maçã colocada sobre a cabeça do seu filho, para satisfazer caprichos ditatoriais do Governador Gessler. Nunca mais ninguém conseguiu olhar para uma 'besta', sem lhe associar aquele fruto.

No século XVII a 'natureza-morta' era considerada de menor importância. Era vista como pintura apenas decorativa [nada tinha de histórico, mitológico ou religioso] e, mesmo nos lares mais humildes, ocupava os cômodos de menor importância. Dentro da cultura católica, a 'natureza-morta' passou a funcionar como metáfora moralizante: a fruta que é bela por fora, mas apresenta indícios de podridão interna; ou apenas uma fruta que ostenta uma beleza tentadora e perigosa.

Paul Cézanne veio mesmo a pintar esses temas, sendo um deles a 'Natureza-Morta com Maçãs e Laranjas'.

Desconheço o que pretendeu o artista ao apresentar esta Foto de 'natureza-morta'. Nada se faz por acaso, e há sempre uma mensagem nas coisas que fazemos. Será uma laranja com casca de maçã, ou uma maçã travestida de laranja? Nos tempos de hoje, porque a vida é muito rápida, depositamos as nossas esperanças em certos ideais e, na volta, sem dar conta tudo se desmorona, espanta e desencanta!...

É que, falando de "fruta" e "saladas", como se vê,... 'troca-tintas' não faltam, por aí...
a 'saírem-se' da casca! (...)

3 comentários:

Pocahontas disse...

Ora aqui está um textinho em que a simbologia, a história e a arte convivem harmoniosamente! Deu-me muito gozo ler!
Dá vontade de continuar a pesquisar mais e mais sobre a maçazinha!

Gansolino disse...

Pesquisar mais sobre a maçazinha
sim... para arranjar a receita da tarte de maçãs da vóvó Donalda!

Depois, é comer e chorar por mais, mas acompanhada de água fresca!

O sumo de laranja anda de má qualidade e faz mal à saúde ...

Ornitorrinco disse...

Grande texto!