[ Vox populi vox Dei ]

2009-05-14

MESTRE KOBAYASHI





No começo dos anos 60, iniciei a actividade de judoca no «JUDO CLUB de PORTUGAL»[tal e qual a modesta placa sobre a entrada] na Rua Coelho da Rocha, no bairro de Campo de Ourique.

O meu 'mestre' começou por ser o Prof. RAIMUNDO, tecnicista ao último grau, não admitindo a mínima 'força' na execução fosse de que 'gesto' fosse!

Neste desporto, só a 'Técnica' é que se aplica! aqui, não há outra força, que não seja a força de vontade!

A quantidade de gente que se inscrevia para aprender uns 'golpes' e ir 'brilhar' lá fora, numa vingançazinha alheia (...)

Quando entrei, foi-me atribuído o Nº 1133 como Sócio do Clube. Um ano depois, feita uma renumeração dos associados, abatendo os desistentes, fiquei com o Nº 523!

Isto dará ideia de que o JUDO não é nada que se apreenda "à pressão". E, quem quer aprender entrega-se à «Filosofia» ou, quanto a 'cintos', sinto muito, só se for o das calças para virem para casa 'curtir' qualquer pressa! Ali não há [não havia]
cinturões de 'côr' nenhuma, como nas nossas Forças Armadas já se viram Generais tipo instantâneo!...

Andava o Mestre RAIMUNDO a "enfrenizar-nos" o juízo com técnicas e os nomes dos "golpes" em japonês,... quando começámos a ser observados por um Senhor JAPONÊS que seguia a nossa aprendizagem com olhar clínico!

O Japonês estava em Portugal havia pouco tempo, e apercebemo-nos que era o nosso
GURU!(...)

Qualquer pergunta no "dojo" era logo 'engolida' pelo mestre Raimundo pois, no "tapete", não havia a mais pequena conversa! só a voz do Mestre! Nas paredes estava a mesma frase do nosso 'compromisso escrito e assinado' enquanto Atletas do JUDO CLUBE DE PORTUGAL:

- NÃO FALES, TREINA!

Entre outros, havia mais "Compromissos", tais como:

«Sem permissão dos meus mestres não ensinarei qualquer segredo» «não abusarei nem farei uso dos meus conhecimentos de Judo» «não farei exibição em público para ganho pessoal» «... não suspenderei o estudo e aprendizagem do Judo, sem razão válida» (...) [outros tempos... outras maneiras de vêr as coisas à "séria"!!]

Com a Homenagem [50 ANOS] ao Mestre KOBAYASHI [para mim], Mestre Kiyoshi Kobayashi [para os 'profanos'], nos 'media' falaram dele, contaram 'tudo',... sabem 'imenso'... e... sei lá!... as coisas que ficaram por dizer(...)!

Ao meu MESTRE, pouco lhe importa tudo o que ficou por dizer ... e,... mantenho o compromisso de não divulgar nada que tenha a vêr com algo que não me 'compita' revelar!(...)

Aquele "senhor" que contemplava os treinos, estava a escolher naquele «ALFOBRE», elementos para reforçar a sua "Classe de Competição"!...

Fui um dos escolhidos... e, a partir de dada altura, treinava todos os dias e fazia 'cursos' intensivos de Inverno e de Verão (...)! 'Sofri' o que sofre qualquer Atleta de alta competição... mas, quem 'sofre' por gosto não cansa ... e não cansei!

Só quando o Serviço Militar me interrompeu as actividades, é que senti que estava afastado do JUDO! Mas, pior! Estar afastado de KOBAYASHI era estar longe do Conselheiro de tudo! do Mestre Espiritual! Aquilo, era um "complot" de 'Samurais' onde todos éramos um TODO!... e assim ficámos para sempre ... com,... ou sem Kimono.

Na Aeronáutica Militar 'descobriram' que a minha 'luta de defesa pessoal', era "esquisita"![O Judo era ilustre desconhecido naquela época!]

Quiseram que eu ensinasse 'aquilo'! Nem pensar! Primeiro, o meu MESTRE teria de ser ouvido! E foi assim! E ele deixou-me! E eu 'ensinei' o que entendi que havia de ensinar...

Mas,... sempre... sem qualquer ganho... pessoal!

Como é sabido, fui Pilotar os Helicópteros para a Província da Guiné!

O meu MESTRE achava-me graça!

Ele também tinha sido Piloto!(...)

... eu é que nunca lhe 'cheguei'... aos 'calcanhares'!!

Nem em coragem [piloto suicida], nem no nosso

"caminho suave" que

é o JUDO

[Ao fim de tantos anos, acho que nunca lhe disse isto:
OBRIGADO, Mestre...]

7 comentários:

Da Serra disse...

Um grande ARIGATOU pela tua explicação.

Luís Coelho disse...

Não sou muito ligado ao desporto.
Aqui em casa nem rádio havia.
Na minha juventude recordo o tio Coelho que era um apaixonado por
Hóquei em Patins e ia para casa de alguns amigos para seguirem o jogo.
A imagem que tenho do Judo é que é um desporto com muita disciplina e com regras de grande exigência pessoal.
Gostei do seu texto pois fiquei com a confirmação daquilo que eu pensava.

César Ramos disse...

Caro Luís Coelho,

Obrigado por ter vindo ao post e por ter deixado um comentário.

Lembrou-me o meu avô que, tal como o seu tio Coelho, só gostava de Hóquei
em Patins!

Um cordial abraço
César Ramos

momo disse...

que bonito relato Cesar..
Y así te vamos conociendo un poqquito mas.
beijo y feliz fin de semana

Luisa disse...

Relato com ternura e de quem foi feliz, na prática desse desporto que é o Judo.
Obrigada, César

Beijinho

Francisco Camejo disse...

Tive a honra, ainda como cinto verde, de ter sido projectado pelo MESTRE (porque estava com um companheiro mesmo ao seu lado)a propósito da correcção de uma técnica de de aschi barai (não sei se a grafia está correcta! Não vou ao JCP ou a qualquer dojo há mais de 5 anos!) Essa projecção, por ridículo que vos pareça foi uma das experiências vivenciais que sempre e constantemente recordo. Que bem hajam!
Francisco Pelejão Camejo

Anónimo disse...

top [url=http://www.c-online-casino.co.uk/]uk casino online[/url] coincide the latest [url=http://www.casinolasvegass.com/]casino games[/url] unshackled no consign perk at the foremost [url=http://www.baywatchcasino.com/]baywatchcasino
[/url].